Parque Ecológico Imigrantes

Com consultoria da Inovatech, parque em área de Mata Atlântica idealizado pela Fundação Kunito Miyasaka, na Grande São Paulo, é o primeiro no estado com infraestrutura orientada pelos preceitos de sustentabilidade da certificação AQUA-HQE


Parque e Centro de Cultura e Lazer

Certificações

Redução de impactos ambientais

Como pousar numa área de floresta remanescente de Mata Atlântica, para ser um centro de educação ambiental e integração das pessoas com a fauna e a flora local, causando o menor impacto possível? Este foi o mote que levou a Fundação Kunito Myiasaka a contratar a Inovatech para realizar um trabalho de consultoria que culminou com a certificação AQUA-HQE em 2010, um dos selos mais importantes do mundo e líder no Brasil em atestar o desempenho ambiental de projetos e obras da construção civil.

Localizado às margens da Rodovia dos Imigrantes, no km 35, em São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo, o Parque Ecológico Imigrantes situa-se em um terreno de 484 mil m², vizinho ao Parque Estadual da Serra do Mar e à represa Billings, e nasce com o objetivo de ser um espaço de atividades voltadas à educação ambiental e à integração das pessoas com um dos biomas mais ameaçados do Brasil.

O projeto do parque é do escritório Gesto Arquitetura. A Inovatech atuou no trabalho de minimização dos impactos para a implantação sustentável da infraestrutura construída, com inúmeras sugestões de soluções de sustentabilidade. Entre as principais, destacamos a escolha do material para a construção de uma passarela elevada que permite um passeio em meio à copa das árvores, e é o principal local de circulação de pessoas pelo parque. “A opção foi pela utilização da madeira plástica, feita partir da reciclagem de resíduos plásticos, que possui alta resistência à umidade e exige baixa manutenção”, conta Luiz Henrique Ferreira, diretor da empresa.

A ideia fundamental era usar as soluções ambientais também para promover a educação ambiental. “Um sistema fotovoltaico e eólico para backup de energia, com 3 horas de autonomia, alimenta a rede de energia, iluminação e a bomba d´água que irriga as áreas administrativas e o lago, e tudo isso em locais bem visíveis, para mostrar aos visitantes que é possível gerar energia a partir de fontes limpas”, afirma Ricardo Pimentel Maluf, ambientalista, fundador da SOS Mata Atlântica e membro do comitê executivo do parque.

Ao longo da obra, mais de 92% dos resíduos foram valorizados, inclusive como material para a própria construção do parque. Para isso, a Inovatech coordenou um trabalho de monitoramento, triagem, valorização e redução do volume de resíduos encaminhados aos aterros.

O projeto compreende uma passarela-ponte, três células de recepção, trilhas, um pequeno auditório e um espaço para exposições informativas. A passarela de 440 m de extensão, 3 m de largura (para a passagem de um veículo, se necessário) e piso de madeira plástica, tem estrutura formada por cabos e barras metálicas, com apenas quatro pilares de cerca de 15 m de altura e um vão de 80 m entre eles, que diminui o impacto no solo do ecossistema.

A inclusão social recebeu atenção especial. Todo o acesso ao parque atende às normas de acessibilidade. Os visitantes com dificuldade de locomoção podem atravessar o parque por dois bondes instalados abaixo da passarela. Com uma declividade de 8%, a Gesto desenvolveu um sistema de peso e contrapeso entre os bondes que diminui o uso de energia elétrica.

O parque conta com uma trilha de 150 m de extensão, planejada para pessoas com pouca mobilidade, e outra com 1.400 m de extensão, de média dificuldade, em que o visitante poderá conhecer uma área de proteção de manancial em estágio de recuperação. O acesso às trilhas será feito por escadas ou por um elevador vertical, com três níveis de parada.

Também foram incorporadas ao empreendimento, por orientação da Inovatech, iluminação e ventilação 100% natural em todos os ambientes, madeira certificada, materiais reciclados e recicláveis, placas termossolares para aquecimento de água, placas fotovoltaicas para geração de energia elétrica, postes de iluminação externa com placas fotovoltaicas e sistema de captação e reaproveitamento de água de chuva.

O Parque Ecológico Imigrantes tem previsão de inauguração em 2018 e busca parcerias com o setor privado para viabilizar outras áreas, como a construção de espaços multiusos, para a realização de eventos com temática ambiental.


< Voltar para CASES